quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Participação é gratidão

PARTICIPAÇÃO É GRATIDÃO

"Ao partilhar e ouvir somos os maiores beneficiados."

Dizem os companheiros mais antigos, que quando ingressamos em A.A. recebemos de uma só vez um salário vitalício com todos os acréscimos de férias, décimo terceiro salário, abono, participação de lucros, etc.

Esses proventos estão embutidos em uma só palavra: "sobriedade". Ela vale mais do que qualquer aposentadoria milionária, ou qualquer premio lotérico.


Mas, muitos de nós, com algumas poucas vinte e quatro horas de sobriedade, nos esquecemos totalmente o que representa a palavra gratidão.


E lembrando: – gratidão é na verdade o reconhecimento que devemos ter por alguém que nos tenha proporcionado benefícios, sejam eles físicos, emocionais, intelectuais, morais, espirituais e até mesmo financeiros.


Sendo assim devemos nos perguntar: A Irmandade de Alcoólicos Anônimos deve estar entre aqueles que nos trouxeram
benefícios?

A resposta não pode ser outra: SIM, com letras maiúsculas e grifadas.


Mas será que somos gratos o suficiente para retribuir à Irmandade apenas um pouquinho daquilo que recebemos de graça, enviado pelo Poder Superior?


Pensamos que não. Muitos de nós achamos que a simples presença nas reuniões de recuperação, já é o suficiente para retribuir e nos esquecemos que essas reuniões fazem parte de uma recuperação que deve, quando possível, ser diária e prolongada.


Ao partilhar e ouvir, nós somos os maiores beneficiados.


Alguns ainda pensam que colocar algumas moedas na sacola da Sétima Tradição é o suficiente e se esquecem o quanto gastavam com o consumo de bebidas, dia após dia.


A.A. não pode nem deve viver de esmolas, mas sim de reconhecimento.


Será que não temos conhecimento o suficiente para poder entender que o dinheiro coletado não é perdido, roubado ou extraviado? Muito pelo contrário, A.A.
administra bem o pouco e faz muito para conseguirmos levar a mensagem a milhares de pessoas. Somos ou não auto­suficientes? É necessário sermos honestos com nossas consciências.

Alguns companheiros ainda hoje, não se privam de gastar no jogo ou na loteria, mas tiram do fundo do bolso a menor moeda para colocar na sacola.


Sabemos também, que existem outras formas de gratidão: o lavar os cinzeiros e fazer o café sugerido desde 1935, quando aconteceram as primeiras reuniões.


Hoje, podemos ser voluntários nas mais diversas tarefas.


Estar disponível para tirar um plantão no escritório, passar uma vassoura na sala de reuniões (sem ninguém pedir), consertar uma tomada, trocar uma lâmpada, passar uma flanela nas cadeiras, colaborar na elaboração de um ciclo de passos ou tradições, servir na equipe de CTO (Comitê trabalhando Com Outros), visitar um companheiro enfermo, fazer uma abordagem, etc.


Portanto, continuamos dizendo: – você companheiro, não importa o tempo de sobriedade, continua e continuará sendo a pessoa mais importante para nós.

Sem você o AA. poderá morrer e, conseqüentemente todos nós morreremos.

Sejamos gratos, "só por hoje".

Muitas 24 h.

Paulo M./Petrópolis/RJ

Vivência nº 100 – Mar./Abr. 2006

Nenhum comentário:

Postar um comentário