segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Quem são eles? "Velho Resmungão" e "Velho Mentor"

Quem são eles? "Velho Resmungão" e "Velho Mentor"

O "Velho Resmungão" é uma pessoa emocionalmente superficial que precisa de grandes eventos para ter prazer. Ele não muda de idéia, pois acha que mudar de idéia não é coisa de homem. Valoriza mais o erro da pessoa que a pessoa, por isso ele não vê seus pecados vê apenas os dos outros. Ele não tem amigos; tem admiradores, os quais em geral são seus dependentes. Ele se orgulha de ser ignorante e intransigente. Rebate tudo e todos na sala. Acha que em A.A. tudo é permitido, inclusive agredir os outros. É escravo de sua ira. Acha que A.A. lhe deve favores e sem ele o grupo morre. Repete seus erros com freqüência. Quer castigar todo mundo e quer que todo mundo se ajoelhe a seus pés. O pior é que sempre encontra alguém que gosta disso. Ele conhece a lei de Deus, mas não conhece Deus. A maioria quer vê-lo pelas costas. Só é notado quando está no grupo. Ele acha que o programa de A.A. é um programa de terror. É cheio de autopiedade. Ele quer governar o grupo.

O "Velho Mentor" é uma pessoa que encontra prazer nas coisas simples e até em coisas anônimas. Sabe que o segredo da felicidade se esconde no que é simples e que conversar é falar sobre o que somos nós, nossas experiências. Sabe que o diálogo é insubstituível e que trocar experiências não é falar de porre, cachaçal e miséria. Sabe que só não muda de idéia quem não é capaz de produzi-la. Não tem medo de criticas, pois sabe que elas ajudam o crescimento. Ele valoriza a pessoa e não seus erros. Ele sabe que os FRACOS condenam, os FORTES compreendem. Os FRACOS julgam, os FORTES perdoam. Sabe que em A.A. não pode tudo e para isso basta ter prudência. Num conflito ele usa silêncio para depois usar as idéias, pois é tolerante, líder e seguro. Ele não manda fazer, faz. Escuta alguém que ingenuamente tenta corrigi-lo. Sabe que a melhor punição é aquela que pode ser negociada com inteligência. Quando erra aproveita seus erros para crescer. Sabe que confiança é um edifício difícil de construir, fácil de ser demolido e muito difícil de ser reconstruído. Sabe que sem esperanças não há estradas e sem sonhos não há motivação (força) para caminhar. Sabe que seus adversários são seu professores, pois ajudam desenvolver sua paciência e compaixão. Não despreza a maioria quer vê-lo pela frente. Todos notam sua ausência no grupo, pois faz falta. Ele sabe que o programa de A.A. é um programa de vida, de alegria. Ele quer servir o grupo. É transparente.

Neto / Natal / R.N.

Vivência Nº107 - Maio / Junho - 2007

Nenhum comentário:

Postar um comentário