quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Retrato em branco e preto

Retrato em branco e pretoHoje é um dia especial, muito especial.
A noite está calada e plena de brancas estrelas. Há um pedaço de lua no céu querendo se mostrar, cheia de direito, dona da noite, dona de tudo. Tem razão: é tão bela e significativa!

Estou só comigo neste momento da noite. Preciso desta solidão como um instante meu, para refletir, fazer balanço.

Há 8 anos atrás, a 13 de janeiro, ingressei no A.A., numa noite assim de verão, cheia de brilho de estrelas e de poética lua, num ensejo de afagos mil. Carecia-os profundamente. Ah, como precisava entregar-me. ..! Também integrar-me. Fazia tempo - quanto tempo! - que não havia ninguém no caminho que me quisesse. Ai que dor...!

Surpreendo-me, agora, ouvindo Tom na voz de João. É a suavidade melancólica do "retrato em branco e preto", em parceria com Chico.

Parece até que a faixa do CD foi colocada propositalmente. Mas não o foi.

Fiz comparações com o passado: o branco e preto, o esmaecido, o amarelado, o sem nenhum sentido da minha vida, pretensamente intelectual, paradoxalmente medíocre. Bestas convicções! Inoportunas interferências! Irracionais razões!

Quem eu era? Ou o quê? Ser humano? Mulher? Longe disso! Não era. Apenas uma bêbada!

Já vi lindíssimos retratos em branco e preto. O meu, literalmente cinzento, obscuro. Fiel ao modelo, simplesmente eu.

Engraçado, depois daquele dia 13, senti que fui pegando uma cor. Várias cores. Deixei de ser um preto e branco, amarelado, cinza, nuances várias, todas descoloridas. Os lábios foram ficando róseos, provocantes, os dentes brancos, bem cuidados, os cabelos visçosos e a tez morena do sol tropical do Nordeste brasileiro.

O mundo ficou mais bonito, o descolorido dançou! A amargura danou-se, a tristeza escafedeu-se! Depois daquele dia 13, fiquei gostando de sorrir. Descobri que a gente pode até salvar uma vida com um sorriso. Como é bom...!

Preocupo-me em comprar roupas novas, vestidos bonitos, decotes levemente insinuantes, provocação para olhares cobiçosos, mesmo tardia. Tardia porque o tempo passou e não tenho mais o frescor daqueles anos. Porém, como agora aprendi a gostar de mim, embora já portadora de carnes flácidas e peso além da medida, acho-me gostosa, apetitosa! Se ninguém mais achar, paciência... Sinto-me o máximo! O Poder Superior e o A.A. fizeram com que eu me sentisse assim.

Há quem pense que, a essa altura do campeonato, talvez muito não me reste. A quem assim pensa, respondo que tenho somente a eternidade para ser feliz. É pouco...?

"já conheço os passos dessa
estrada,
sei que não vai dar em nada.
seu segredo sei de cor.
já conheço as pedras do
caminho
e sei também que ali sozinho
vou ficar tanto pior..."

E como já conheço as pedras do caminho, daquele caminho de vida sem viço e sem cor, fico ao lado de vocês, amados companheiros. Porque foi com vocês que descobri sentido em tudo. Descobri que sou...

Nenhum comentário:

Postar um comentário